CENTRAL DO ASSINANTE    

Equipamentos de alta performance

SOBRE A TECNOLOGIA USADA ...

As redes sem fio fornecem uma série de vantangens sobre as redes convencionais, já que não estão limitadas pelo uso de cabos, o que lhes concede uma maior mobilidade e liberdade de localização. 
A principal diferença das redes sem fio é, como seu próprio nome indica, não utilizam cabos, ou seja, uma mídia guiada. Em seu lugar, o meio de transmissão é o ar, no qual são emitidas tanto as ondas de rádio como a luz infravermelha. Com relação a rede tradicional, a rede sem cabos oferece as seguintes vantagens:

• Mobilidade: Informação em tempo real em qualquer lugar para todos os usuários de rede.
• Facilidade de Instalação: Evita obras para passar cabos por paredes e tetos.
• Flexibilidade: Permite chegar onde o cabo não pode.
• Redução de Custos: Quando ocorrem mudanças freqüêntes ou o ambiente é muito mutável, o custo inicialmente mais alto da rede sem cabos torna-se muito mais baixo, além de ter maior tempo de vida e menor gasto na instalação.
• Escalabilidade: A mudança de topologia de rede é simples e afeta da mesma maneira pequenas e grandes redes, permitindo ampliar facilmente as mesmas.

     Os pioneiros no uso de redes sem fio foram os radioficcionados mediante suas emissoras, que oferecem uma velocidade de 9600bps. Mas se falamos especificamente de redes sem fio, devemos voltar ao ano de 1997, no qual o organismo regulador IEEE publicava 802,11 (802 faz referência ao grupo de documentos que descrevem as características das LANs ou Ethernet) dedicado a redes LAN sem fio. Dentro deste mesmo campo e anteriormente, no ano de 1995, temos o surgimento do Bluetooth, uma tecnologia da Ericson dedicada a conectar, mediante ondas de rádio, os telefones móveis a diversos acessórios. Há pouco tempo, surgiu um grupo de estudo formado por fabricantes que estavam interessados nesta tecnologia para aplicá-la à outros dispositivos, como PDAs, terminais móveis ou inclusive eletrodomésticos. Mas o verdadeiro desenvolvimento deste tipo de rede surgiu a partir do momento em que o FCC, organismo americano encarregado de regular as emissões radioelétricas, aprovou o uso civil da tecnologia de transmissões de espectro disperso (SS ou spread spectrum, em inglês) embora a princípio tenha proibído o uso amplo desse espectro. Tal tecnologia já era utilizada no âmbito militar desde a segunda Guerra Mundial devido a suas extraordinárias características no que tange a dificuldade de sua detecção e tolerância a interferências externas.
     Apesar desta tecnologia, como vimos anteriormente, já ter mais que 5 anos, apenas atualmente este tipo de rede se desenvolveu eficazmente devido à queda de preços dos dispositivos que a integram. Hoje em dia há cada vez mais equipamentos que podem concorrer em preços com os modelos para redes cabeadas.

O que é uma rede sem fio?
Começamos definindo o que é uma WLAN. WLAN é exatamente a sigla em inglês de Wireless Local Área Network. Trata-se de um sistema de comunicação de dados flexível muito utilizado como alternativa a LAN cabeada ou como um extensão desta. Utiliza tecnologia de radiofreqüência que permite maior mobilidade aos usuários ao minimizar as conexões cabeadas. As WLANs vêm adquirindo importância em muitos campos. Alguns deles são: depósitos, fábricas, etc., de modo que a informação é transmitida em tempo real para um terminal central.
Este tipo de rede é cada dia mais utilizada em uma ampla gama de negócios e prevê-se um grande crescimento do mesmo devido a sua facilidade de instalação e características.

Uso de WLAN's na atualidade
• O uso mais freqüênte das WLAN's é como ampliação das redes cabeadas, de modo que se estabelece uma conexão com um usuário final móvel. 
•Em hospitais: dados do paciente transmitidos de maneira instantânea
• Em pequenos grupos de trabalho que necessitem de uma implementação rápida de uma rede (por exemplo, grupos de revisão do extrato de contas).
• Em ambientes dinâmicos: minimiza-se a sobrecarga causada por ampliações de redes cabeadas, transferência das mesmas ou outras mudanças instalando-se redes sem cabos.
• Em centros de formação, universidades, corporações, etc., onde utiliza-se uma rede sem cabos para ter fácil acesso as informações.
• Em edifícios antigos também é mais adequada.
• Os trabalhadores de depósitos trocam informações com uma base de dados central através de uma rede sem cabos, aumentando assim a produtividade. Também para funções críticas que requerem rapidez. Flexibilidade: permite chegar onde os cabos não podem, superando qualquer tipo de obstáculo, inclusive paredes, e é útil em áreas onde o cabeamento não é possível ou é muito caro, como por exemplo: parques naturais, reservas ou áreas escarpadas.

Ondas eletromagnéticas
As ondas eletromagnéticas ou de rádio são produzidas quando a energia de radiofreqüência (como a gerada pelo transmissor) é conduzida para uma antena. Estas ondas de rádio consistem de campos elétricos e magnéticos alternados perpendiculares entre si que são irradiados da antena aproximadamente a velocidade da luz.
Uma onda de rádio pode ser vista como produto de uma energia oscilatória acoplada ao espaço por uma antena transmissora. A energia é de natureza eletromagnética, ou seja, campos elétricos e magnéticos alternando continuamente a polaridade com a forma de onda que possuía o sinal responsável da energia. Uma vez lançadas, as ondas continuam viajando fora da fonte a velocidade da luz até que toda a sua energia se esgote.
    Uma onda é a propagação de uma perturbação pode ser mecânica ou eletromagnética e atribuímos uma determinada velocidade a sua propagação.
Para visualizar o primeiro caso, podemos pensar em duas pessoas que estão segurando uma corda e de repente uma delas a faz oscilar verticalmente; veremos que isto produz uma onda na corda que se propaga para a outra pessoa. O que está ocorrendo aqui é que a pessoa que segura a corda fez oscilar os pontos materiais da mesma ao redor da sua posição de equilíbrio, e nem todos oscilaram ao mesmo tempo, mas o primeiro a oscilar estava mais próximo da pessoa que produziu a perturbação e em seguida o segundo mais distante e assim sucessivamente, formando-se o padrão característico da onda (como as "olas" típicas que os espectadores de alguns jogos produzem: se todos se levantassem ao mesmo tempo, o que equivale a dizer que a velocidade de propagação da onda é infinita, de maneira que chega instantaneamente a qualquer ponto, mesmo que muito distante, não veríamos nenhuma onda); por isso, sempre associamos a uma onda uma velocidade de propagação finita, que sempre dependerá do meio em que é transmitida.
    Outro exemplo, se lançarmos uma pedra sobre a superfície da água em um lago, isso provocará algumas ondas que se propagarão afastando-se do ponto de impacto, diminuindo à medida que se movem. Estas perturbações são um tipo de onda, que se seguem a uma distância constante uma das outras. Sua propagação depende da natureza do líquido e assume-se que permaneça constante, seja qual for a altura da onda.
    As irradiações eletromagnéticas são um deslocamento de energia, através de um fenômeno que já conhecemos: as ondas. Em termos gerais, uma onda é a transmissão de energia que não necessita de um movimento de matéria. O som, as ondas do mar, as ondas sísmicas, a luz, os raios X, as ondas de rádio são exemplos de ondas, embora muito diferentes. No entanto, sem levar em conta a sua natureza, todas as ondas têm as mesmas características gerais. Pode-se afirmar que o mundo físico é formado por apenas duas entidades básicas: objetos materiais e ondas. A circulação de cargas elétricas em um metal condutor (como uma onda de uma emissora de rádio ou TV) origina ondas de campos elétricos e magnético (denominadas ondas eletromagnéticas - EM) Estas ondas irradiadas possuem uma energia eletromagnética associada que pode ser captada por uma antena receptora (a antena de TV em uma casa, a pequena antena incorporada em um telefone celular ou a antena do nosso walkie-talkie). No entanto, os campos elétrico e magnético podem existir independentemente um do outro, e os mesmos são então denominados campos estáticos; como os campos elétricos que tem origem entre as nuvens e a terra durante uma tempestade, antes da emissão do raio. A antena emissora estabelece ondas de campos elétrico e magnético que se propagam à velocidade da luz pelo espaço livre até a unidade receptora.
    As ondas eletromagnéticas viajam no vácuo à velocidade da luz e transportam energia através do espaço. A quantidade de energia transportada por uma onda eletromagnética depende de sua freqüência (ou comprimento de onda): quanto maior sua freqüência, maior é a energia